segunda-feira, janeiro 23, 2006

Saudade

Distante vai o tempo
Em que eu saboreei os teus lábios,
Em que acariciei a teu corpo,
Em que nos unimos num só.

Memorizei o teu cheiro,
O teu rosto,
Cada detalhe do teu corpo,
Fiquei viciado em ti.

Distante vai o tempo
Em que dei o teu nome a uma estrela
Enquanto tu te aconchegavas nos meus braços
Trocando beijos e carícias.

Meras recordações de um tempo passado
Onde por momentos atingi a felicidade.

Memórias que ficam
De um tempo que passou
Onde a alegria desvaneceu
Dando lugar à saudade.

8 Comments:

Blogger R/B Estação said...

Welcome back!!

23 janeiro, 2006 12:16  
Anonymous Anónimo said...

olá mike!
Muito bem estou admirada com a tua veia poética,está muito giro.

Beijocas...
xana

23 janeiro, 2006 21:54  
Blogger Chimaera said...

yeay!
tenho um primo poeta Oo

Devo dizer que a minha alma (e os seus 21gr) se encontram perfeitamente estupefactos!

=) Gostei do poema... * eh pah ainda te vou levar ao estrelato ^^ vais ver

* behave

25 janeiro, 2006 21:27  
Anonymous Paul Stewart said...

Very Good! I really enjoy! Great poem, especially the last four lines! so, keep the good work and I will visit you again and again.
Stay Cool

27 janeiro, 2006 18:52  
Anonymous Anónimo said...

Simplesmente fantástico... sem palavras

Ana Gui

30 janeiro, 2006 17:47  
Blogger Artaud said...

Que uma unica saudade não seja eterna e não se acumule ou... que regresse e se transforme de novo em alegria... Explicações? Vem falar dps cmg :)
Pá é bom o teu regresso

02 fevereiro, 2006 23:18  
Anonymous Anónimo said...

Saudades que nunca passam

08 fevereiro, 2006 13:24  
Anonymous Anónimo said...

...Saudades que nunca passam
mas que o tempo ajuda
a atenuar mas nunca esquecer...
porque são estes momentos
que devemos recordar com muita ternura...

08 fevereiro, 2006 13:27  

Enviar um comentário

<< Home